ACESSO À INFORMAÇÃO

Notícias

postado em 02/09/2019 em EventoSETEMBRO AMARELO

GOVERNO DE VALPARAÍSO PROMOVE CAMPANHA SETEMBRO AMARELO

O objetivo é unir forças a fim de disseminar estratégias para conscientização do público em geral, bem como dos profissionais que colaboram e vivem diariamente a realidade de lidar com pessoas em estado de profunda depressão emocional

O Governo Municipal de Valparaíso de Goiás mais uma vez aderiu à Campanha Setembro Amarelo com o intuito de promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio, além de divulgar o tema e alertar a população sobre a importância de sua discussão e prevenção.

 

Neste ano, o objetivo é unir forças a fim de disseminar estratégias para conscientização do público em geral, bem como dos profissionais que colaboram e vivem diariamente a realidade de lidar com pessoas em estado de profunda depressão emocional, sabendo que existe prevenção em mais de 90% dos casos, segundo a Organização Mundial da Saúde. 

 

É importante destacar que, a Lei Municipal Nº1.122/16 de Valparaíso de Goiás estabelece o “Dia Municipal da Prevenção do Suicídio (10 de setembro)” e a campanha de Prevenção ao Suicídio “Setembro Amarelo”.

 

Este ano o evento “Setembro Amarelo” ocorrerá em Valparaiso de Goiás com a parceria com o Centro de Valorização da Vida – CVV de Brasília e ocorrerá nos dias 03 e 13 de setembro, com o apoio do Núcleo de Atendimento Psicopedagógico ao Educando – NAPPE, Secretaria de Saúde, Secretaria de Desenvolvimento Social, Secretaria da Cultura e Segurança.

 

A cada 45 minutos um brasileiro tira a própria vida. Esse número já deveria ser suficiente para estimular as pessoas a se mobilizarem pela prevenção dessas mortes precoces, mas apesar dos avanços, os tabus, preconceitos e vergonhas ainda são adversários nessa luta.

 

O suicídio é um assunto complexo, pois ninguém se mata por um único motivo, mas a prevenção é possível e algumas ações podem ser feitas por todas as pessoas. Permitir que as pessoas desabafem e falem sobre seus sentimentos sem receber críticas é um meio de evitar que se pense na morte como solução para as dores.

 

Neste ano, diversos fatores levam a crer que o movimento Setembro Amarelo terá alcance recorde em todo o Brasil. A começar pelo fato de que o CVV chegou a 110 postos de atendimento em todo o país com mais de 3.000 voluntários em atuação. O movimento, no entanto, não é do CVV, mas o CVV é um dos seus mobilizadores desde o início. Quanto mais pessoas participarem das iniciativas, melhor para todos.

 

 

Confira a programação:

Data

Ação

 

 

03/set

(terça-feira)

1.    Cerimônia de abertura Setembro Amarelo.

Local: SME (referência: CESB - auditório)

Horário: 8h às 10h.

 

2.    Palestra: Panorama e Perspectivas do Suicídio no Brasil

  Palestrante: Dr. Aguimar Faria Jr - Psiquiatra do CAPS de   Valparaíso de Goiás.    

Horário: 10h00 às 12h00

Local: SME (referência: CESB - auditório)

 

3.    Palestra: Um Novo Olhar para a Vida

Palestrante: Patrícia Estrela, psicóloga e criadora do Projeto Teen Mentors em Águas Claras – DF.

Horário: 14h às 16h

Local: SME (referência: CESB - auditório)

09 até 13/set

Ø  Semana de Educação para a Vida

10/set

(terça-feira)

Divulgação da Campanha Setembro Amarelo no Paraíso Mega Center

Horário: dia todo (haverá várias atrações)

 

 

13/set

(sexta-feira)

Ø  Caminhada para a Vida - Setembro Amarelo

- Teremos várias atrações com apresentações de banda, dança depoimentos de superação de jovens, apresentações de cartazes, teatro etc.

Horário: 9 horas, na Praça do Céu Azul

Público alvo: escolas, profissionais da educação, saúde, justiça, ação social e comunidade em geral.

20/set

(sexta-feira)

Ø Mesa de debate – Valorização da vida e Prevenção ao Suicídio

Participantes: Drª. Professora Rosana Dorio Bohrer (psicóloga clínica, consultora de RH, diretora das empresas Instituto Condor e Air Safety e professora da Faculdade Anhanguera de Valparaíso de Goiás), Pollyanna P. Ferraz (professora e coordenadora do curso de Psicologia na Faculdade Anhanguera de Valparaíso, servidora do município de Valparaíso), representantes das áreas de saúde, comunidade, segurança e religiosos.

Horário: 9 h às 11h30

Local: Auditório da Faculdade Anhanguera – entrada de Valparaíso II.

11/out

(sexta-feira)

Roda de conversa sobre a realização do Setembro Amarelo / troca de experiências. Local: Auditório UNIDESC. Horário: 9 horas.

 

Sinais de alerta - Prevenção do suicídio

 

Os sinais de alerta descritos abaixo não devem ser considerados isoladamente. Não há uma “receita” para detectar seguramente quando uma pessoa está vivenciando uma crise suicida, nem se tem algum tipo de tendência suicida. Entretanto, um indivíduo em sofrimento pode dar certos sinais, que devem chamar a atenção de seus familiares e amigos próximos, sobretudo se muitos desses sinais se manifestam ao mesmo tempo.

 

O aparecimento ou agravamento de problemas de conduta ou de manifestações verbais durante pelo menos duas semanas.

Essas manifestações não devem ser interpretadas como ameaças nem como chantagens emocionais, mas sim como avisos de alerta para um risco real.

 

Preocupação com sua própria morte ou falta de esperança.

As pessoas sob risco de suicídio costumam falar sobre morte e suicídio mais do que o comum, confessam se sentir sem esperanças, culpadas, com falta de autoestima e têm visão negativa de sua vida e futuro. Essas ideias podem estar expressas de forma escrita, verbal ou por meio de desenhos.

 

Expressão de ideias ou de intenções suicidas.

Fiquem atentos para os comentários abaixo. Pode parecer óbvio, mas muitas vezes são ignorados: 
"Vou desaparecer.”
“Vou deixar vocês em paz.”
“Eu queria poder dormir e nunca mais acordar.”
“É inútil tentar fazer algo para mudar, eu só quero me matar.”

 

Isolamento

As pessoas com pensamentos suicidas podem se isolar, não atendendo a telefonemas, interagindo menos nas redes sociais, ficando em casa ou fechadas em seus quartos, reduzindo ou cancelando todas as atividades sociais, principalmente aquelas que costumavam e gostavam de fazer.

 

Outros fatores

Exposição ao agrotóxico, perda de emprego, crises políticas e econômicas, discriminação por orientação sexual e identidade de gênero, agressões psicológicas e/ou físicas, sofrimento no trabalho, diminuição ou ausência de autocuidado, conflitos familiares, perda de um ente querido, doenças crônicas, dolorosas e/ou incapacitantes, entre outros podem ser fatores que vulnerabilizam, ainda que não possam ser considerados como determinantes para o suicídio. Sendo assim, devem ser levados em consideração se o indivíduo apresenta outros sinais de alerta para o suicídio.

 

 

Pedindo ajuda - Prevenção do suicídio

 

Pensamentos e sentimentos de querer acabar com a própria vida podem ser insuportáveis e pode ser muito difícil saber o que fazer e como superar esses sentimentos, mas existe ajuda disponível. É muito importante conversar com alguém que você confie. Não hesite em pedir ajuda, você pode precisar de alguém que te acompanhe e te auxilie a entrar em contato com os serviços de suporte.

 

Quando você pede ajuda, você tem o direito de:

  • Ser respeitado e levado a sério;
  • Ter o seu sofrimento levado em consideração;
  • Falar em privacidade com as pessoas sobre você mesmo e sua situação; • Ser escutado;
  • Ser encorajado a se recuperar.

 

Diante de uma pessoa sob risco de suicídio, o que se deve fazer?

  • Encontre um momento apropriado e um lugar calmo para falar sobre suicídio com essa pessoa. Deixe-a saber que você está lá para ouvir, ouça-a com a mente aberta e ofereça seu apoio.
  • Incentive a pessoa a procurar ajuda de profissionais de serviços de saúde, de saúde mental, de emergência ou apoio em algum serviço público. Ofereça-se para acompanhá-la a um atendimento.
  • Se você acha que essa pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de profissionais de serviços de saúde, de emergência e entre em contato com alguém de confiança, indicado pela própria pessoa
  • Se a pessoa com quem você está preocupado(a) vive com você, assegure-se de que ele(a) não tenha acesso a meios para provocar a própria morte (por exemplo, pesticidas, armas de fogo ou medicamentos) em casa.
  • Fique em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo.

 

 

Onde buscar ajuda para prevenir o suicídio?

CAPS e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde).

UPA 24H, SAMU 192, Proto Socorro; Hospitais

CAPS Valparaíso de Goiás – Av. Central, S/N, Área Institucional 2, Cruzeiro do Sul (61) 3669-1962

Centro de Referência em Reabilitação de Valparaíso de Goiás – Área Especial cidade Jardins (ao lado da Escola Municipal) (61) 9 8194-0766

Emergência – SAMU 192

Centro de Valorização da Vida – 188 (ligação gratuita)

 

Centro de Valorização da Vida – CVV

O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, email, chat e voip 24 horas todos os dias.

A ligação para o CVV em parceria com o SUS, por meio do número 188, são gratuitas a partir de qualquer linha telefônica fixa ou celular.

Também é possível acessar www.cvv.org.br para chat, Skype, e-mail e mais informações sobre ligação gratuita.

Também é possível utilizar o atendimento por chat e e-mail disponível nos ícones abaixo.

 

Conheça os postos e horários de atendimento!

 

 

Com informações do CVV e Ministério da Saúde

COMPARTILHAR ESSA NOTÍCIA